Bolsonaro prevê mais 2 ou 3 parcelas de auxílio e novo Bolsa Família de R$ 300

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta terça-feira (15) que o Ministério da Economia está estudando o pagamento de “mais duas ou três parcelas” do auxílio emergencial após o fim da rodada atual, que termina em julho.

“Mais duas ou três parcelas, está faltando só esse ‘finalmente’ aí, de auxílio emergencial de média de R$ 250. Média”, afirmou Bolsonaro em entrevista à SIC TV, afiliada da RecordTV em Rondônia.

Na segunda-feira (14), o ministro Paulo Guedes (Economia) havia informado ao jornal Folha de S.Paulo a prorrogação por três meses.

De acordo com o ministro, o presidente Jair Bolsonaro baterá o martelo sobre a medida após se informar com o Ministério da Saúde e receber a decisão do Ministério da Cidadania, que é responsável pela gestão do programa.

Na última semana, a equipe econômica havia fechado uma proposta para prorrogar o auxílio a informais por dois meses. O custo estimado era de R$ 18 bilhões.

Em seguida, Guedes afirmou em videoconferência na terça-feira (8) que a assistência poderia ser renovada por mais dois ou três meses. Agora, porém, o ministro disse que ficou decidido que o prazo será de três meses.

A rodada atual do auxílio tem quatro parcelas, que começaram a ser pagas em abril e serão encerradas em julho. Hoje, o valor de cada parcela varia R$ 150 a R$ 375 por mês.

A prorrogação do auxílio emergencial é uma das apostas de Bolsonaro para alavancar sua popularidade, que está em queda.

Além disso, Bolsonaro confirmou na entrevista desta terça sua intenção de turbinar o Bolsa Família, programa criado na gestão do PT.

“Agora, no tocante ao Bolsa Família, tivemos uma inflação durante a pandemia no tocante aos produtos da cesta básica em torno de 14%, você teve item que subiu até 50%, sabemos disso daí”, disse o presidente.

você pode gostar também