Em Eunápolis, Agentes de Saúde e Endemias fazem paralisação de advertência nesta quinta-feira

Reunidos em assembleia geral na categoria, os agentes comunitários de saúde e agentes comunitários de endemias lotados em Eunápolis decidiram, por maioria, realizar uma paralisação de advertência, nesta quinta-feira (10/12). A medida serve para pressionar o município a pagar o terço de férias e o valor correspondente a dois meses do PMAQ dos acs, ace e também dos servidores públicos da atenção básica.

O edital de convocação foi protocolado junto ao gabinete do prefeito, Robério Oliveira (PSD) e do secretário de Administração, Luis Otávio. Os profissionais cobram o repasse aos trabalhadores, através do Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ), que visa incentivar gestores e equipes a melhoraram a qualidade dos serviços de saúde. Segundo eles, cada um tem direito a um incentivo de quase R$ 500,00 ao mês, e que já foi lançado na folha de pagamento, aguardando apenas autorização do pagamento.

A fim de evitar aglomeração, a assembleia reuniu-se em um espaço ao lado da sede do Sindicato, na Avenida Demétrio Couto Guerrieri, no Centro da cidade, na manhã desta segunda-feira (07/12).

SUPERVISORES

Outros temas como escolha de supervisores de área/campo, décimo terceiro salário, incentivo adicional e campanha salarial de 2021 também foram deliberados durante a assembleia, do Sindicato Intermunicipal dos Agentes Comunitários de Saúde e Combate a Endemias da Região que contou com a presença do coordenador Geral, Tobias Albino dos Santos, filiados e diretores de demais municípios como Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália.

Os agentes comunitários de saúde e os agentes de endemias decidiram incluir na ata da assembleia a minuta da reunião com a prefeita eleita, Cordélia Torres (DEM), sobre o modelo de escolha dos supervisores de área/campo para vigorar na próxima gestão. Por 18 votos contra 6 e 4 abstenções, a categoria deliberou a modalidade de eleição direta para escolha dos supervisores para o período de dois anos. Segundo o dirigente sindical, “a eleição é uma maneira de legitimar a atuação do supervisor de área/campo”.

Para passar a valer, as deliberações do Sindiacscer sobre escolha do supervisor de área/campo devem ser encaminhadas à Câmara de Vereadores, por iniciativa da prefeita eleita, em forma de Projeto de Lei.

você pode gostar também